Conheça os principais métodos de preparo de café [Guia Definitivo]

métodos de preparo

O método de preparo de café mais conhecido entre o público brasileiro é o tradicional coado em filtro de papel, certo?

Mas, com o desenvolvimento de cafeterias e do mercado de café premium, muitos outros métodos surgiram no mercado. Cada um resulta em diferentes experiências de xícara, valorizando o potencial dos grãos 100% arábica e as qualidades sensoriais de cada varietal de café!

Se você ainda não conhece todos os equipamentos e métodos ou fica em dúvida quanto às vantagens e desvantagens de preparos como French Press, Moka (ou cafeteira italiana) ou Hario V60, este post é a solução! 

A seguir, destacamos os oito principais métodos de preparo de café, explicamos como funcionam e que tipos de resultados esperar da extração. Você nunca mais você ficará estático diante de um barista profissional ou de um equipamento novo!

Também listamos as vantagens e desvantagens de cada um para que você possa avaliar de antemão em que equipamento ou método de extração vale mais a pena investir e qual é o mais adequado ao momento e ao estilo de café de sua preferência.

Venha conosco e descubra o que a escolha do método de preparo de café alinhado às expectativas de gosto e paladar pode fazer para elevar a degustação a altos níveis de satisfação.

Confira!  

Coado (filtro de papel)

Aqui no Brasil é o mais tradicional de todos, aquele preparado desde o tempo de nossos antepassados a partir da infusão do café em água fervente. Muitas vezes, é o mais usado em casa pela vantagem da praticidade, mas vale lembrar que algumas dicas básicas devem ser seguidas mesmo neste método de preparo simples:

  • Uso de água mineral;
  • Deixar a água atingir a temperatura de 98 graus (ou ferver); 
  • Escaldar o filtro para evitar qualquer transferência de resíduos de papel para a bebida.

Além disso, é fundamental hidratar o café com uma pequena quantidade de água por cerca de 30 segundos e só então começar a verter o restante do líquido sobre o pó, em círculos, para extrair o máximo de sabor dos grãos.

A desvantagem em comparação a métodos mais complexos e sofisticados é que você não comanda nenhuma das etapas da extração, nem mesmo o tempo de contato do pó com a água. Consequentemente, não há precisão sobre as variáveis de potência de elementos do café, como a quantidade de cafeína presente na xícara, por exemplo. Também não é possível ressaltar ou diluir notas de sabor do café escolhido.

No entanto, o aroma de um café passado no coador permanece imbatível para perfumar o ambiente, né?    

Compare: Entre os métodos de infusão coados – Hario V60, Chemex e Clever – o filtro tradicional é o que extrai a bebida de forma mais regular (sem ressaltar especificidades). Mesmo assim, é um dos mais práticos e cujo equipamento não demanda grandes investimentos: basta contar com uma chaleira básica, um porta-filtros de plástico e um filtro de papel para preencher uma xícara ou para produzir a quantidade que julgar necessária.

Em resumo, como avaliar o método coado tradicional:

  • Grau de dificuldade do preparo – fácil;
  • Moagem indicada – fina;
  • Tempo de preparo – depois de a água ferver, cerca de 3 min;
  • Complexidade de sabor – mediana;
  • Investimento: baixo.  

Hario V60

O Hario V60 é um método que até lembra o coado tradicional: também traz um filtro de papel. No entanto, se difere no design, com ranhuras (veios) em formato cônico e espiral por toda a extensão da cafeteira. Também há um orifício grande e circular na parte inferior, o que promove a passagem da água pelo café moído de forma especial, harmônica e veloz, além de impedir o acúmulo de resíduos na base da extração.

Criado no Japão, o método que chegou ao Brasil recentemente logo surpreendeu o mercado graças aos resultados do café extraído, que tende a revelar de forma delicada as nuances do varietal escolhido. 

Daí a importância da escolha de grãos 100% arábica, já que o método vai detalhar as características sensoriais naturais do café!

Entre as principais vantagens, especialistas apontam a praticidade, já que a cafeteira é encontrada em diversas matérias-primas, tamanhos e preços – desde a luxuosa cerâmica até modelos mais simples, em acrílico, vidro, inox ou cobre.

Entre as dicas de preparo, é fundamental prestar atenção aos seguintes detalhes:

  • Uso de água mineral e escolha de grãos 100% arábica;
  • Prefira um café moído na hora;
  • Escalde o filtro e tente ser preciso ao tempo de extração para não correr o risco de sub ou super extrair o café!
  • Uma das poucas desvantagens é o uso de filtros específicos para o método, que não estão disponíveis em qualquer supermercado ou venda. Mas, todo mundo encontra em cafeterias que vendem acessórios ou na Internet.

Compare: Outro cuidado é em relação ao resultado esperado, já que a Hario tende a extrair um café mais claro e limpo, relativamente suave e com pouca presença de amargor. Se você gosta de uma bebida mais potente, o método pode não ser o mais indicado.

Em resumo, como avaliar o método Hario V60:

  • Grau de dificuldade do preparo – fácil;
  • Moagem indicada – média para fina (da espessura de açúcar cristal);
  • Tempo de preparo – depois de ferver a água, 4 min – 30 seg para escaldar o filtro e 3 min para verter a água e finalizar a extração;
  • Complexidade de sabor – alta, já que o design da Hario V60 promove uma extração uniforme e rápida, valorizando as características sensoriais dos grãos e o frescor do café;
  • Investimento: de baixo a médio, a depender do modelo escolhido.  

Moka (ou Cafeteira Italiana)

Taí um método de extração de café a pressão super simples.

Muito popular em países da Europa, a Moka ou cafeteira italiana é capaz de preparar o café em menos de 4 min, sem o uso de filtro de papel e sem a necessidade de verter a água sobre o pó!

Formada por três compartimentos fáceis de encaixar: base, dispenser de pó e parte superior com filtro na base, a cafeteira italiana também é muito versátil e fácil de limpar.

Uma extração de qualidade demanda alguns cuidados básicos:

O grão de café deve ser moído (de preferência imediatamente antes do preparo) em granulometria média/grossa (nunca fina, pois há risco de entupir o filtro e transferir resíduos para a bebida);

O controle do fogo é essencial, pois o metal quente demais do compartimento superior pode queimar o café; a dica é manter o fogo baixo e pingar água fria no recipiente que receberá o fluxo para tentar abrandar a temperatura;    

Assim que a cafeteira apitar, é hora de desligar o fogo, já que alguns segundos a mais sobre a chama podem resultar em um café queimado e de amargor acentuado.

Compare: Outro detalhe é o resultado potente do café produzido na Moka. Se você prefere uma bebida mais rica em óleos e cafeína, este pode ser o seu método! Se não, o café produzido na cafeteira italiana pode parecer um tanto forte.

Em resumo, como avaliar o método moka:

  • Grau de dificuldade do preparo – fácil;
  • Moagem indicada – média grossa;
  • Tempo de preparo – cerca de 3 min;
  • Complexidade de sabor – alta, já que o café não passa por um coador que retém óleos e outros elementos sensoriais que são transferidos para a bebida com mais intensidade;
  • Investimento: baixo.      

Aeropress

Método que reúne filtragem e pressão no preparo do café, a Aeropress é uma dos mais bem cotados entre especialistas.

Isso porque o café extraído no equipamento é reconhecido por apresentar presença equilibrada de óleos essenciais e açúcares naturais dos grãos. A cafeteira também evita a extração demasiada de cafeína.

Criado em 2005 pelo engenheiro Alan Adler, a Aeropress é portátil e de fácil manipulação. Para preparar a bebida, o café moído é misturado com a água quente (fervida), o usuário empurra o êmbolo e o café passa pelo filtro disposto na base.

Compare: Além de combinar filtragem rápida e pressão, ressaltantando aroma e sabor naturais dos grãos, o método é reverenciado por permitir um maior controle no preparo do café a partir de diferentes dosagens e moagens do café, o que resulta em bebidas de diferentes estilos.

Assim, é possível explorar diversas personalidades da bebida!

Um ponto sempre comum será a produção de uma xícara de aromas complexos e sem a presença de amargor!

Preferido entre vários baristas, o método exige alguma atenção em relação a:

  • Usar sempre grãos de qualidade superior e água filtrada e fervida no preparo;
  • Lembrar-se de mexer a mistura de água e pó e de esperar um tempinho para que a infusão seja processada;      
  • Escaldar o filtro para retirar resíduos de celulose.

Parece mágica, não é?

O senão da Aeropress é preparar apenas uma xícara por vez. Se você tem convidados para o café, este não é o método mais indicado.  

A compra do filtro próprio também pode ser uma questão, mas, mais uma vez, é fácil de resolver em casas especializadas ou na web.

Em resumo, como avaliar o método aeropress:

  • Grau de dificuldade do preparo – fácil;
  • Moagem indicada – média (permite variações a gosto do freguês)
  • Tempo de preparo – 2 min
  • Complexidade de sabor – alta, já que une a filtragem rápida e pressão, o que ajuda a extrair óleos e açúcares naturais do café;
  • Investimento: de baixo a médio (além do equipamento em si, o método demanda o uso de filtros especiais).

Chemex        

Equipamento de visual impressionante – composto por jarra e porta filtros que formam uma ampulheta, filtro imponente e tira de couro presa por um colar de madeira -, a Chemex pode intimidar marinheiros de primeira viagem.

Porém, não se assute: trata-se de um método de café coado, de filtragem diferenciada e que permite extrair uma bebida extremamente limpa (sem resíduos) e de sabor nítido (com mínima presença de amargor).   

O cuidado e a precisão na extração, idealizada para valorizar as nuances de aroma e sabor naturais dos grãos, são o diferencial da cafeteira, invenção do químico Peter Schlumbohm, alemão radicado nos Estados Unidos, lá nos idos de 1941. É justamente o que faz o método ser considerado inovador até os dias atuais. Outra vantagem é a variedade de tamanhos, o que permite preparar de 3 a 8 xícaras por vez!

No entanto, apesar de valorizar como nenhum outro método as nuances puras do café, a chemex não é de tão fácil domínio.

A começar pelo manuseio, que demanda cuidado para que o equipamento não quebre. Também o preparo correto do filtro merece atenção: ele é mais grosso que o tradicional e deve ser dobrado em quatro partes com o objetivo de potencializar a filtragem de resíduos indesejáveis. Por fim, o método demanda paciência, já que a água deve ser vertida de forma gradual, em círculos localizados no centro do filtro. Por fim, o investimento no equipamento e na compra de filtros específicos pode ficar um tanto salgado.   

Realmente vale a pena?

Se você aprecia a oportunidade de decifrar as notas naturais de um grão, vale muito!

Compare: Lembre-se de que a Chemex produz uma bebida bastante filtrada. Como parte da cafeína e dos elementos sólidos ficam retidos no coador, o resultado é um café considerado muito mais leve que o espresso!

Dicas para um preparo correto são:

  • Prefira um café com doçura e acidez naturais para uma experiência mais saborosa;
  • Lembre-se de escaldar o filtro antes de iniciar a infusão;  
  • Despeje a água aos poucos e em movimentos de círculo, sempre respeitando a quantidade  limite (até a metade do filtro).

Em resumo, como avaliar o método Chemex:

  • Grau de dificuldade do preparo – mediano
  • Moagem indicada – média/grossa
  • Tempo de preparo – de 3 a 4 min
  • Complexidade de sabor – resulta em um café ultrafiltrado, limpo e que revela as sutilezas de sabor do grão escolhido;
  • Investimento: de médio a alto (além do equipamento, cujo preço médio é R$ 400, o método demanda o uso de filtros especiais).

French Press (Prensa Francesa)

Também de visual sofisticado, a French Press tem funcionamento bastante semelhante ao da Aeropress. Ambas funcionam sob pressão, e o usuário deve pressionar um êmbolo para extrair o café. 

A principal diferença é que a prensa francesa dispensa o uso de filtro de papel. No lugar, o método é composto por uma tela ultrafina.

Compare: É justamente essa diferença que faz o uso da French Press resultar em bebidas com acentuada presença de cafeína, óleos essenciais e outros elementos que compõem os grãos!

Portanto, a prensa dá origem a xícaras um tanto encorpadas e potentes! Se você gosta de um café que marca presença, o seu método é este!

Popular nos EUA e na Europa, a prensa francesa já encontra adeptos no Brasil pela praticidade no preparo e resultado que valoriza a potência de sabor dos cafés de qualidade superior, revelando a personalidade do varietal.   

Fabricada em diferentes tamanhos e matérias-primas, a cafeteira é portátil e permite o preparo de café em qualquer lugar em que seja possível ferver água!

Os inconvenientes do método são: risco de super extração e de presença de sedimentos no fundo da xícara.  

Para não errar no preparo, especialistas indicam os seguintes passos:

  • Respeite a granulometria da moagem, que sempre deve ser grossa – o risco de usar um café fino demais é transferir sedimentos indesejáveis da extração para a xícara!;  
  • Lembre-se de aguardar o tempo de infusão antes de pressionar o êmbolo! Algo entre 1min e 2 min, de acordo com a quantidade de cafeína que você deseja na xícara e a proporção quanto mais tempo, mais amargor e potência na xícara;
  • E de mexer a mistura de pó e água e dar um tempo para que o pó “assente” na base da cafeteira!

Em resumo, como avaliar o método French Press:

  • Grau de dificuldade do preparo – mediano
  • Moagem indicada – grossa
  • Tempo de preparo – de 2 min a 3 min  
  • Complexidade de sabor – extrai  um café potente, com presença marcante de cafeína, óleos e outros elementos químicos e sensoriais do grão escolhido;
  • Investimento: de médio a baixo (o equipamento pode ultrapassar os R$ 300, mas dispensa a compra de filtros).

Cafeteira Globinho ou Sifão

Uma aula experimental de química e de física!

A Globinho é composta por dois globos de vidro, sendo o superior com funil e filtro, e permite ao espectador acompanhar a mistura entre o pó e a água, numa experiência fascinante.

Compare: O modo de funcionamento lembra o da cafeteira italiana (Moka), porém é à vácuo e não à pressão. Além disso, a água se mistura ao grão moído em imersão total (a exemplos do que ocorre nos métodos French Press e Aeropress) e ainda passa num filtro, o que resulta em um café de características únicas: baixa acidez, muita doçura e pouco amargor.   

Veja como a Globinho funciona: 

A água é disposta no globo inferior e aquecida por uma chama (aquecedor de butano). Quando começar a ferver, o usuário acrescenta o café em granulometria grossa no compartimento de cima. Em ebulição, a água sobe, se misturando ao pó. Após a dança da infusão, o globo inferior já estará resfriado e irá atrair o café, que é filtrado na passagem.

Além do espetáculo visual único, a extração no método Globinho, Sifão ou Vaccuum Coffee Maker resulta em um café saboroso, que preserva as qualidades naturais dos grãos!    

Mas o método tem lá suas dificuldades: demanda alto investimento e muito cuidado durante o preparo para evitar acidentes como queimaduras ou a quebra do equipamento, que fica aquecido e é bastante frágil.

Para extrair o café com qualidade e segurança, preste atenção:

  • À montagem: todo cuidado é pouco para manusear o equipamento.
  • Cuidado, pois os globos ficam quentes;
  • Na hora de higienizar a globinho, abuse da delicadeza, pois o vidro é bastante frágil.

Agora que já conhece um dos métodos de extração mais sofisticados do mercado, saiba que o café feito em sifão é extremamente equilibrado e tende a agradar aos paladares mais exigentes!

Em resumo, como avaliar o método Globinho ou Sifão:

  • Grau de dificuldade do preparo – alto, pois o equipamento exige montagem delicada e é bastante frágil
  • Moagem indicada – fina para média
  • Tempo de preparo – cerca de 4 min depois da montagem, lembrando que o usuário pode controlar a temperatura da água e interferir no tempo de infusão (controlando a intensidade do fogo)  
  • Complexidade de sabor – extrai um café equilibrado que preserva óleos essenciais e outros elementos  
  • Investimento: alto (tanto o equipamento quanto os acessórios necessários para o funcionamento da globinho são caros, a partir de R$ 200 o modelo mais simples e que produz três xícaras por vez.

Pressca

Talvez o mais prático entre todos os métodos de preparo por êmbolo, o Pressca ganha pontos entre o público antenado e que não tem tempo a perder.

Para extrair a bebida que amamos, basta misturar o grão moído à água quente, esperar um minutinho para a infusão e pressioná-lo com delicadeza. O líquido será filtrado por uma malha e o café estará pronto!  

Visualmente, o equipamento lembra uma garrafa térmica e tem passe livre por onde o coffee lover estiver: do escritório ao lazer!

A Pressca é feita de material resistente, tem parede dupla (o que retém o calor do café por mais tempo) e pode ser transportada na mochila, pasta ou bolsa. Além disso, dispensa o uso de xícara pois você pode tomar o café direto da fonte!

Compare: O método de extração lembra o da prensa francesa (French Press), que também não leva filtro de papel. Devido à característica, os óleos essenciais do grão e a cafeína são transferidos para a bebida, que será rica em potência e de amargor mais acentuado.

Se você deseja um café encorpado e que demande pouco ritual de preparo, a Pressca é o método ideal!

Outra vantagem é o preço competitivo: com R$ 130, em média, é possível comprar uma Pressca para chamar de sua. 

A desvantagem (se é que se pode chamar assim) é preparar quantidades praticamente individuais.

Em resumo, como avaliar o método pressca:

  • Grau de dificuldade do preparo – baixo, e não demanda rituais
  • Moagem indicada – tolera variedade de granulometrias, mas a grossa é a mais indicada
  • Tempo de preparo – de 3 a 4 min
  • Complexidade de sabor – extrai  um café que preserva óleos essenciais e outros elementos de sabor do café  
  • Investimento: baixo (e dispensa acessórios como filtros). 

Qual é seu café e método preferidos?

Aqui apresentamos e comparamos os principais métodos de preparo de café. Também abordamos o que esperar de cada tipo de extração em termos de potência, suavidade, sabor. 

Lembramos sobre a importância da escolha de cafés especiais para a sua xícara uma vez que são os varietais 100% arábica que originam grãos de qualidade. Com a degustação, é possível apreciar notas únicas e diferentes experiências de paladar!

Agora que você sabe decifrar a relação entre a personalidade da bebida e qual é o melhor método para valorizar as qualidades que deseja, é hora de conhecer mais a fundo a característica de cada tipo de grão, não é? 

Uma dica que vai ajudar você a identificar as características que mais aprecia em uma xícara é a  ferramenta de indicações de cafés da uCoffee! Um estudo de comportamento ancorado em inteligência artificial que consegue conectar o seu gosto aos cafés mais incríveis do mercado. Navegue e descubra as maravilhas que o universo do café especial é capaz de proporcionar!

Até a próxima xícara!

O que você achou desse post?
  • Ótimo (0)
  • Útil (0)
  • Poderia ter mais informações (0)

Você também pode gostar desses posts:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *